A chegada do fenômeno climático La Niña

Cotação de Commodities

A chegada do fenômeno climático La Niña
Mais modelos meteorológicos apontam para a chegada do fenômeno climático La Niña já no próximo mês de Outubro, indicando seca para a Região Sul do Brasil.

É o que apontam mais modelos meteorológicos pesquisados pelo Bureau Australiano de Meteorologia (BOM), depois que as temperaturas da superfície do Oceano Pacífico tropical continuaram a esfriar neste mês de Setembro.

“Temperaturas mais frias dos oceanos no lado ocidental são um indicador-chave de um La Niña se desenvolvendo no Pacífico que tem o potencial de mudar os padrões de chuva em todo o mundo e impactar a produção global de alimentos”, afirma a T&F Consultoria Agroeconômica.

De acordo com o BOM, “todos os modelos climáticos internacionais pesquisados indicam que os limiares de La Nina serão cumpridos de outubro até pelo menos o final do ano, com cinco dos oito modelos mantendo esses valores até o início de 2021”.

A perspectiva do Bureau, no entanto, permaneceu em ‘Alerta’, o que significa que a semelhança de uma formação permaneceu estática em 70% – cerca de três vezes a probabilidade média – em comparação com uma avaliação anterior há quinze dias.

“A La Niña está associada a condições mais úmidas do que a média na Austrália – que pode impulsionar a cultura do trigo – assim como no norte da Índia, Indonésia, norte do Brasil como parte do sul da África.

Ao mesmo tempo, condições mais secas são mais prováveis nos estados do sul dos EUA – impactando negativamente a produção de trigo lá, sul da Índia e sul do Brasil e Argentina – potencialmente dificultando a produção de soja e milho”, diz o BOM.

Confira também: Relembre a previsão dos especialistas deste fenômeno climático no ano anterior e os seus impactos para os grandes e pequenos agricultores no Brasil, confira no post Não haverá El Niño no Brasil nos próximos três meses, diz Rural Clima

Fonte: Agrolink

Cotação de Commodities