Feijão Feijão

Feijão

O feijão faz parte da dieta do brasileiro, mas seu consumo tem caído bastante nos últimos anos. Nos anos 60 cada pessoa consumia cerca de 26kg por ano, em meados dos anos 90 caiu para 19kg e agora cada brasileiro consome em média 15kg de feijão por ano. Essa mudança se explica pela urbanização da população que busca alimentos prontos ou mais fáceis de serem preparados.

O Brasil é o maior produtor e consumidor mundial de feijão, seguido pela Índia, China e México. Na safra de 2016/17 foram plantados 3 milhões de hectares, e a produção deve chegar a 3,07 milhões de toneladas. Em países desenvolvidos praticamente não há consumo de feijão, portanto, toda a produção é para consumo interno. Outra dificuldade para a exportação são as variedades de tipos de feijão, pois em cada país ou região há preferência para determinado tipo. O feijão mais produzido no Brasil é o carioca, mas mesmo assim não tem unanimidade em todos os estados.

Os preços do feijão são influenciados pela oferta e também pela rentabilidade da soja e do milho, que concorrem mais diretamente pela mesma área plantada. Por ter três safras em um ano, se na primeira safra o produtor não teve boa lucratividade, pode diminuir a área plantada e investir em outro produto como a safrinha do milho.

Modo de usar

A adubação de semeadura, as dosagens de N, P2O5 e K2O, indicadas na tabela a seguir, em função da expectativa de rendimento e da interpretação da análise do solo. Em relação à adubação Nitrogenada, pode ser feito inoculação, que é o processo por meio do qual bactérias fixadoras de nitrogênio, selecionadas pela pesquisa, são adicionadas às sementes das plantas antes da semeadura. A inoculação é feita com um produto chamado inoculante, que não polui o solo e fornece nitrogênio para as plantas.

Tabela